fbpx
Precatórios em concessões: ANAC prepara defesa

Precatórios em concessões: ANAC prepara defesa

Atualizado em 9 de junho de 2023 por Laura Oliveira

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) está se preparando para uma batalha jurídica contra o uso de precatórios em concessões. Essa medida é objeto de debate acalorado nos últimos tempos, com direito a opiniões divergentes sobre sua legalidade e impacto nos projetos de infraestrutura do país.

Já falamos aqui no blog sobre a suspensão, por parte da Advocacia-Geral da União (AGU),  do uso de precatórios para o pagamento de outorgas em concessões. Desta vez, vamos trazer uma contextualização sobre essa disputa, bem como quais são os planos da ANAC para lidar com o tema. Acompanhe!

A disputa sobre os precatórios em concessões

Em resumo, a preocupação da ANAC é de que os precatórios sejam utilizados como moeda de pagamento em concessões, o que poderia comprometer a estabilidade financeira desses projetos. Esse receio tem fundamento, uma vez que a prática tem sido discutida como uma forma de destravar concessões, como no caso do aeroporto de Congonhas.

Em abril deste ano, o governo estudou a possibilidade de utilizar precatórios para articular a concessão de Congonhas, mesmo sem uma definição clara sobre a legalidade dessa prática. Essa medida gerou controvérsia e levantou questionamentos sobre sua constitucionalidade.

A AGU já se posicionou contra o uso de precatórios como moeda de pagamento, barrando essa tentativa por considerá-la ilegal.

O uso de precatórios como forma de pagamento em concessões é uma estratégia que tem sido discutida no cenário político e econômico, com argumentos a favor e contra. Defensores alegam que a medida pode acelerar projetos de infraestrutura importantes para o desenvolvimento do país, uma vez que os precatórios são dívidas públicas que podem ajudar a quitar obrigações do governo.

Por outro lado, críticos apontam que essa prática pode trazer riscos significativos aos projetos de concessão. Como se sabe,  precatórios são dívidas judiciais que o governo deve pagar a pessoas ou empresas que ganharam processos contra o Estado. Um dos argumentos é que utilizá-los como forma de pagamento em concessões pode comprometer a solidez financeira desses empreendimentos.

A necessidade de posicionamento e o papel da Anac

Diante desse impasse, a ANAC decidiu se posicionar de forma clara e contundente contra o uso de precatórios em concessões. A agência entende que isso pode colocar em risco a estabilidade financeira dos projetos de infraestrutura. Assim, estaria prejudicando não apenas a segurança jurídica, mas também a continuidade e eficiência dessas concessões.

É importante ressaltar que a ANAC, como órgão regulador responsável pela concessão de serviços aeroportuários, desempenha um papel fundamental na garantia da qualidade e eficiência desses serviços. Portanto, a posição da agência é crucial para orientar e direcionar as discussões sobre o uso de precatórios em concessões, buscando preservar os interesses públicos e a segurança jurídica dos empreendimentos.

Nesse contexto, é essencial que as autoridades avaliem os impactos e as consequências do uso de precatórios como moeda de pagamento em concessões. Por sinal, a AGU informa que a “proibição” do uso de precatórios em concessões  permanecerá até que o governo edite uma regulamentação diferenciada.

Riscos referentes aos precatórios em concessões

Decisões precipitadas podem comprometer a integridade financeira de projetos e gerar instabilidade no setor de infraestrutura. É fundamental uma análise criteriosa dos riscos envolvidos, além de buscar alternativas que não comprometam a solidez financeira das concessões.

Também é necessário considerar a importância de garantir um ambiente de negócios estável e previsível para atrair investimentos. O uso de precatórios como forma de pagamento em concessões pode gerar incertezas e afetar a confiança dos investidores, dificultando a concretização de novos projetos.

Nesse sentido, a iniciativa da ANAC em preparar uma defesa jurídica contra o uso de precatórios em concessões tem como objetivo regulamentar a matéria e evitar discussões futuras. Dessa forma, a agência está demonstrando seu compromisso em assegurar a estabilidade e a segurança jurídica dos projetos de infraestrutura, protegendo os interesses públicos e o bom funcionamento do setor.

No entanto, a indecisão causada por esse impasse  não é interessante para a economia do país. Afinal, precatórios representam valores gigantescos! Assim, poderiam não apenas  aquecer o mercado, mas também garantir o avanço de importantíssimas obras de infraestrutura.

Em conclusão, a ANAC está se preparando para enfrentar um desafio jurídico importante relacionado ao uso de precatórios em concessões. Por enquanto, a AGU mantém seu posicionamento contrário, o que leva a incertezas sobre o futuro. Qual será a decisão final sobre essa medida? Vamos acompanhar os próximos capítulos do debate.

E você, leitor, o que pensa sobre a polêmica criada? Deixe um comentário no campo abaixo e participe da discussão sobre o tema.

2 Comentários
  • Joaquim Felício
    Postado às 18:28h, 13 junho Responder

    Quais são os argumentos contra o uso de precatórios em concessões?

    • Laura Oliveira
      Postado às 14:23h, 14 junho Responder

      Boa tarde, tudo bem? Obrigada pelo seu comentário!

      Quanto a sua duvida: Existem alguns argumentos contra o uso de precatórios em concessões. No contexto de concessões, em que o Estado transfere a particulares a execução de serviços públicos, como infraestrutura, transporte, energia, entre outros, os precatórios podem ser utilizados como forma de pagamento ou contrapartida pelo concessionário. No entanto, alguns argumentos contrários a essa prática incluem:

      Desvirtuamento da finalidade dos precatórios: Os precatórios têm a finalidade de garantir o pagamento de dívidas do Estado com os cidadãos e empresas que obtiveram decisões judiciais favoráveis. Utilizar esses recursos para concessões pode desvirtuar essa finalidade, desviando recursos que deveriam ser destinados ao cumprimento das obrigações judiciais.

      Falta de transparência e fiscalização: O uso de precatórios em concessões pode gerar opacidade e dificultar a fiscalização sobre a destinação desses recursos. É importante garantir que os valores dos precatórios sejam devidamente utilizados para quitar as dívidas estabelecidas pela Justiça, e desviá-los para concessões pode comprometer a transparência e o controle desses recursos.

      É importante ressaltar que esses argumentos contrários ao uso de precatórios em concessões refletem a preocupação com a correta destinação dos recursos públicos, a transparência na gestão financeira e a proteção dos direitos dos credores. Cabe aos órgãos competentes avaliar essas questões e buscar alternativas que garantam a eficiência e a legalidade na utilização dos precatórios e na realização das concessões.

      Espero ter ajudado, caso ainda tenha duvidas fique a vontade para perguntar!

      Atenciosamente, Equipe Meu Precatório.

Comentar