fbpx
SPTRANS precatórios

Dívidas da SPTrans devem entrar no regime de precatórios

Atualizado em 29 de dezembro de 2021 por rafael.fonseca

Uma decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF) deu fim a uma batalha judicial que envolvia dívidas da SPTrans. Para quem não conhece, trata-se da empresa que administra o transporte público de São Paulo.

De modo geral, as empresas cobravam na justiça valores devidos pela SPtrans. No entanto, a dúvida pairava sobre a forma como essas dívidas deveriam ser quitadas. No artigo de hoje, vamos explicar a situação e esclarecer um pouco mais sobre como a decisão do STF servirá de referência para dívidas de empresas de economia mista. Boa leitura!

Entenda o que são precatórios

É sempre bom relembrar o que são precatórios, principalmente para o tema que vamos abordar hoje. Então, esses títulos são valores devidos pelo poder público, suas autarquias e empresas, a partir de uma condenação judicial. Vale para quaisquer âmbitos federativos, seja municipal, estadual ou federal.

Assim sendo, uma empresa pública como a SPtrans deveria ter suas condenações indenizatórias na justiça pagas em forma de precatórios. Porém, existe uma peculiaridade, que vamos entender no tópico seguinte.

E as sociedades de economia mista?

A SPtrans tem parte de seu capital pertencente ao poder público, no caso, o município de São Paulo. Já a outra parte pertence a investidores privados. Esse é justamente o conceito de sociedade de economia mista.

Em síntese, uma sociedade de economia mista é uma pessoa jurídica de direito privado, com seu capital dividido entre o poder público e os investidores particulares. Assim, parte do capital referente às ações com direito a voto deve pertencer ao ente público.

Por conceito, não são totalmente públicas, o que faria com que suas dívidas judiciais fossem pagas na forma de precatórios. Tampouco são totalmente privadas, o que faria com que suas dívidas fossem cobradas como manda o código civil.

Dessa forma, empresas como a SPtrans dividem opiniões sobre forma de pagamento das dívidas oriundas de condenações judiciais. E foi justamente essa a questão que o STF precisou esclarecer.

Dívidas da SPtrans pagas como precatórios

Quando as empresas de ônibus paulistas ingressaram na justiça para cobrar dívidas da SPtrans, o objetivo era um só. Enfim, tanto a empresa como o município de São Paulo (seu principal acionista), queriam que essas dívidas fossem pagas na forma de precatórios.

A razão para isso é muito simples! Ao fazer o acerto como precatórios, o governo teria mais tempo para negociar e arrastar os pagamentos. Desse modo, poderia, inclusive, incluir os débitos em futuros calotes ou parcelamentos.

Um cenário diferente

Pela cobrança normal, de acordo com o código civil em casos de decisões judicias, a SPtrans teria que arcar com um volume alto de pagamento. E de forma imediata, o que poderia ocasionar sérias dificuldades.

Em um primeiro momento, o governo paulista perdeu o recurso que interpôs no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). A decisão reconheceu a distribuição de lucros na SPtrans. Esse fundamento, por sua vez, afastaria a possibilidade de aplicar o regime de precatórios. Portanto, a empresa e o governo recorreram ao Supremo!

STF decide aplicar regime de precatórios

No Supremo Tribunal Federal, SPtrans e município argumentaram que as decisões do TJSP iam de encontro com a jurisprudência do próprio STF. Isso representaria uma ação direta de inconstitucionalidade de nº 387.

Nessa ação, o Supremo decidiu que sociedades de economia mista, com prestação de serviço público de natureza não concorrencial, seriam contempladas pelo regime de precatórios.

A relatora do caso no STF, ministra Rosa Weber, foi contra o argumento. Entretanto, a maioria da 1ª Turma da Corte divergiu e acolheu a aplicação do regime de precatórios para as dívidas da SPtrans e também para outras sociedades de economia mista.

Segundo o ministro Alexandre de Moraes, autor do voto divergente, esse entendimento traz maior segurança jurídica aos credores. Além disso, possibilita que empresas como a SPtrans possam se organizar melhor para os pagamentos diante do cenário de crise.

Para tomar boas decisões, é importante estar por dentro das principais notícias sobre precatórios e tudo o que envolve o tema, como as dívidas da SPTrans. Afinal, qualquer movimentação pode influenciar o pagamento do seu título.

Então, para acompanhar as novidades, não deixe de nos seguir no Facebook e no Instagram. Obrigado pela leitura, até a próxima!

Nenhum Comentário

Comentar